O que os advogados não te contam sobre o bafômetro

Há muita coisa que os advogados não te contam sobre o teste do bafômetro. O Brasil é um dos países mais rígidos quando o assunto é as leis de trânsito. Descubra agora os segredos deste teste tão polêmico.
Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest

O bafômetro é um equipamento usado como instrumento para se fazer cumprir a Lei Seca. Há muitos rumores sobre este teste e várias coisas que os advogados não te contam sobre ele.

A Lei Seca é uma lei que se torna cada vez mais rigorosa. Por isso, surgem muitas dúvidas quanto ao temido teste do bafômetro.

Fazer ou não fazer? Há limite permitido de álcool no organismo? Posso recorrer da multa?

Essas são algumas dúvidas que os advogados não te contam sobre este teste polêmico.

Com a leitura deste artigo você irá conferir esses e outros segredos em torno do famoso teste do bafômetro. Vamos lá?

O que é o teste do bafômetro?

O teste do bafômetro serve para analisar a quantidade de álcool etílico presente no organismo de uma pessoa.

É um teste de simples execução, baseado na análise do ar soprado pelo pulmão da pessoa. Este teste faz parte da operação da Lei n.º 11.705, conhecida como Lei Seca. Esta lei proíbe o consumo de álcool por qualquer motorista antes de dirigir.

O Brasil é considerado um dos países mais rígidos quanto à tolerância do consumo de álcool na direção de veículos.

Para realização do teste, a pessoa deve soprar um tubo conectado ao equipamento, chamado de bafômetro. O ar pulmonar segue para o catalisador, assim o álcool expirado reage ao oxigênio contido ali.

Esta reação libera elétrons, gerando corrente elétrica. Assim o chip do aparelho faz o cálculo de concentração de álcool no sangue e mostra o resultado no visor. Quanto mais álcool, maior essa corrente elétrica.

O que não lhe contam sobre o bafômetro?

Sim, há muitos rumores sobre o teste do bafômetro, por isso resolvemos revelar algumas coisas que não lhe contam sobre este teste tão polêmico.

Vamos lá?

Poucos advogados te contam que você pode sim, recusar o teste do bafômetro, isso é direito garantido pela Constituição.

Entretanto, essa recusa pode gerar infrações. Pois o agente de trânsito pode verificar a presença de álcool no condutor de outras formas, por meio de sinais e da capacidade psicomotora.

Por isso, se o motorista se recusar a fazer o teste mesmo assim ele pode levar multa.

Outra coisa que não te contam é quanto tempo o álcool fica no organismo de quem consumiu. Este processo leva, em média, 10 horas. Por isso, é prudente esperar pelo menos 12h para dirigir após beber.

Além disso, se você negar o teste do bafômetro e evitar que o veículo seja removido ao pátio, é necessário ter alguém que faça o teste, que dê negativo para álcool e que possa conduzir o veículo.

Se não tiver acompanhado de ninguém que possa fazer isso, o veículo pode ser apreendido.

O motorista pego pelo bafômetro ou que recusa fazer o teste, sofrerá as seguintes punições:

  • Ficar sem dirigir por 12 meses
  • Participar de um curso obrigatório de reciclagem
  • Gastar mais de R$3.000,00 com o débito da multa e com o curso de reciclagem

Você até pode recorrer do teste, mas se não for feito de forma técnica e estratégica, isso não te livrará da multa ou até mesmo da suspensão da CNH, por isso, o ideal mesmo é se beber, não dirija.

Não há limite tolerado

Muito se fala sobre um limite permitido no teste, mas não há um limite permitido no teste. Porém, a penalidade depende do valor acusado no equipamento.

Assim, se o valor for igual ou superior a 0,05 miligramas por litro de ar, o condutor cometeu uma infração gravíssima. Deverá pagar uma multa no valor de R$ 2.934,70 e ainda será suspenso de dirigir, com CNH e veículo recolhido.

Se o valor acusado for igual ou maior que 0,34 miligramas, o condutor pode ser acusado de crime de trânsito com detenção de seis meses a três anos.

Você pode recorrer dessa multa

Apesar de multado, é possível recorrer à multa do bafômetro e ainda se livrar da suspensão da CNH, para isso basta apresentar argumentos técnicos e que façam sentido com o seu caso.

Se você recorrer apenas com base em informações prontas na internet (modelos), ou alegar que sempre foi um condutor exemplar, ou até mesmo que precisa da habilitação para trabalhar, segue aqui o meu conselho: não desperdice o seu tempo e da Administração Pública, entregue a sua CNH e cumpra as penalidades.

Pois para ter êxito através de uma defesa administrativa é aconselhável a contratação de um profissional especializado em direito de trânsito, que trabalhe com técnica e saiba o que está fazendo.

Então, se você está com este problema, não abra mão de sua defesa, entre em contato conosco para que possamos te auxiliar da melhor maneira.

Compartilhe com seus amigos

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *